CRÔNICA: Despedidas

sexta-feira, 6 de abril de 2018



Não sei me despedir de você. Não sei se te abraço ou se olho nos seus olhos. Minhas mãos não sabem o que fazer e sempre sinto que não foi suficiente. 

Não sei me despedir de você. Parece que dentro de mim algo se parte, e naqueles poucos segundos sinto minha respiração falhar, meu coração parar. Não sei ao certo o que fazer com meu corpo. Sinto as lágrimas brotando, mas ao mesmo tempo tento desesperadamente segurar para que eu possa te olhar direito. Olhar nos olhos. Mas nunca consigo. As lágrimas são insistentes e escorrem pelo meu rosto sem nenhuma permissão.

Não sei me despedir de você. E não ligo para as pessoas que estão ao nosso redor. Para mim é só você e eu. Congelados em um momento. Congelados em mais uma despedida. Congelados. Juntos, a poucos momentos de escorrer por lados diferentes. 

Não sei me despedir de você. Mas preciso. Quando chega o momento não consigo te olhar mais, e me odeio por isso porque amo ser olhada por você. Nos abraçamos. E torço para que você não me solte, mas precisamos. Há coisas na vida que precisamos fazer, mesmo que seja a última coisa que gostaríamos. Quando você me solta eu não olho para trás, é difícil demais te ver tão longe. 

Não sei me despedir de você. Mas acabei de fazer isso. No segundo seguinte em que suas mãos escorregaram pelas minhas, eu desabei. As lágrimas foram como enxurrada. Sentei em um banco e chorei. Chorei por despedidas. Por abraços. Beijos. Momentos. Chorei. Porque às vezes o choro é uma libertação. Diferente do que acham por  ai, chorar não é fraqueza. Chorar é força. E eu me fortaleci a cada lágrima.

Não sei me despedir de você. Mas me levantei do banco e não olhei a diante. Só andei. Subi as escadas e lembro que algumas lágrimas ainda escaparam. Andei em meio a pessoas e não senti nada. Porque a cada passo você ficava mais longe, mais fora do meu alcance. Tão longe, mas tão perto, dentro de mim. A melhor parte de mim.

Não sei me despedir de você. E eu vou odiar todas as vezes que precisaremos fazer isso, porque sei que serão diversas vezes. Já sinto a dor dessas despedidas que nem vieram, porque você faz tudo valer a pena, e estar longe é como estar distante da melhor coisa de sua vida. Porque você é o meu lugar. 

Não sei me despedir de você. Já se passaram alguns dias, mas ainda sinto a sensação. Sinto tudo. Revivo o momento e espero te ver logo, tão perto. Não sei me despedir de você. E a verdade: nunca saberei me despedir de você. 

Nenhum comentário

Postar um comentário