Clássico do Mês: FAHRENHEIT 451 de Ray Bradbury

segunda-feira, 30 de abril de 2018



" Deve haver alguma coisa nos livros, coisas que não podemos imaginar, para evar uma mulher a ficar numa casa em chamas; tem de haver alguma coisa. Ninguém se mata assim a troco de nada."


- FAHRENHEIT 451

Fahrenheit 451 foi meu clássico do mês de Abril, ele foi escrito pelo autor Ray Bradbury  e lançado em 1953. O livro pode ser incluído na categoria de Distopias e por isso estava tão ansiosa para ler, porque meu TCC foi baseado no estudo de distopia e analisei Jogos Vorazes, que é tão conhecida e amada por vários leitores.

Para quem não conhece nada do gênero, os livros distópicos geralmente são construídos com muita  tensões sociais e assuntos à serem denunciados: governos opressores, injustiças e um mundo criado cheio por meio de violências e mazelas.

Na obra de Ray, conhecemos um mundo no qual todos os livros foram proibidos e qualquer pessoa que for encontrada na posse de qualquer livro pode ser presa ou até condenada a morte. O nosso protagonista Guy Montag, é um bombeiro que nesse mundo serve para queimar livros, casas e ou até pessoas que tenham relação com livros, e é nesse ponto que vamos acompanhar o protagonista refletir sua própria realidade e questionar suas ações.

As ideias e questões dentro do livro são incríveis, a todo o momento ele nos faz pensar como temos sorte em viver em uma sociedade na qual temos acesso aos livros, mas também nos faz lembrar que ler é ter poder e os grandes reconhecem essa verdade.

É emocionante ver a jornada do Guy e suas transformações ao longo na narrativa, além de que todas essas reflexões alcançam o leitor de maneira efetiva.

No entanto, não achei que o livro foi perfeito, acho que o desenvolvimento foi um pouco falho, e em diversos momentos confuso nas descrições das cenas, o que dificultou visualizar bem os lugares, as situações e as pessoas. Na construção do mundo, embora esse não seja o real objetivo da história, precisava ser mais trabalhado e detalhado porque senti que estava em um mundo muito bem construído e imaginado, mas não fui apresentada à ele de maneira palpável.

Ainda sim valeu a pena a leitura e recomendo, inclusive agora faltam poucas distopias clássicas para serem lidas. E vocês, já leram distopias? Conta aqui nos comentários!

Relendo As Crônicas de Nárnia: O SOBRINHO DO MAGO

quarta-feira, 18 de abril de 2018


" Quando as coisas vão mal, parece que vão de mal a pior durante certo tempo; mas quando começam a ir bem, parecem cada vez melhores."

Página 96


Sobre o livro:

A aventura começa quando Digory e Polly vão parar no gabinete secreto do excêntrico tio André. Ludibriada por ele, Polly toca o anel mágico e desaparece. Digory, aterrorizado, decide partir imediatamente em busca da amiga no Outro Mundo. 


Hoje começamos com o projeto de releitura de As Crônicas de Nárnia, e vou comentar com vocês sobre a primeira crônica O Sobrinho do Mago.As Crônicas de Nárnia foram escritas pelo autor C. S. Lewis por volta de 1950 e até hoje são histórias que encantam as pessoas e seus leitores

Foi uma experiência realmente incrível poder voltar a esse mundo que sou tão apaixonada depois de 4 anos quando li pela primeira vez, e tenho certeza que a leitura de todas as outras será tão boa quanto essa aqui.

Focando agora em O Sobrinho do Mago, é uma das minhas favoritas, pois além de ser o inicio de toda a história, ela está interligada com diversas coisas que acontecem nas outras. A versão que estou lendo, as crônicas foram organizadas em ordem cronológica o que nos dá uma dimensão maior e facilita para entender como as coisas foram organizadas. É interessante lembrar, que a ordem de publicação é diferente da cronológica, mas acho que essa é a melhor organização de leitura.


" Pois o que você ouve e vê depende do lugar em que se coloca, como depende também de quem você é."

Página 69

Essa é uma crônica cheia de aventura, e talvez uma das que mais revelam segredos que nos faz entender a história, é uma crônica rápida, mas bem completa, com personagens engraçados e que refletem de alguma forma nossas fraquezas, conflitos e dúvidas.

C.S Lewis é conhecido por seus trabalhos envolvendo a apologia cristã, e realmente encontramos isso nas histórias, algumas mais que outras. No caso de O Sobrinho do Mago, embora de maneira sutil e nada direto, reconhecemos muitas coisas e fazemos uma ligação instantânea (se você é cristão, assim como eu, é bem mais fácil de ver), no entanto, a história não perde sua magia, porque sim, tem apologia cristã, mas também tem magia, anões, faunos, bichos falantes e encantamento a cada página.

Essa primeira história nos leva a relembrar o que é ter esperança e acreditar nas coisas sem olhar nossas circunstâncias, nos faz rever a fé e focar no que é importante, sem nunca deixar de ser quem somos.

Temos muita história pela frente e espero que vocês curtam tanto quanto eu! Já leram ou estão relendo comigo? Conta para mim como foi as impressões de vocês :)

TAG: NO OUTONO É SEMPRE IGUAL

terça-feira, 17 de abril de 2018



Não, você não está no lugar errado! Hoje vai ter livros e música sim! A tag foi inspirada por uma das músicas mais famosas da Sandy&Junior, e foi criada pela Melina Souza. São perguntas que conectam a música aos livros e espero que gostem!

  • A noite cai, o frio desce: um livro que se passa em uma época fria;

DEIXE A NEVE CAIR, é um livro de contos que se passa nas festas de fim de ano dos Estados Unidos. O nome não deixa mentir, e além de ser um livro super fofo, com mensagens lindas para o fim de ano, é um livro que dá a sensação de muito frio. Os contos são do John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle.



  • Mas aqui dentro predomina esse amor que me aquece protege da solidão: um livro quentinho no coração;

A EXTRAORDINÁRIA GAROTA CHAMADA ESTRELA do autor Jerry Spinelli, foi a primeira leitura de 2018 que termina enchendo seu coração de esperança. A nossa protagonista nos ensina tanto que é difícil partir para outros personagens depois que você a personalidade tão autentica da Estrela.

  • A noite cai, a chuva traz o medo e a aflição: um livro com uma atmosfera sombria;

A GAROTA DA CAPA VERMELHA é uma leitura antiga da minha estante, construída como uma releitura de Chapeuzinho Vermelho, é um livro com uma atmosfera pesada do começo ao fim. Eu amei a leitura na época e fico bem triste pelo livro não ser tão conhecido.


  • Mas é o amor que está aqui dentro que acalma meu coração: um livro que você gostaria de poder viver dentro e interagir com os personagens;

Os personagens da série Corte de Espinhos e Rosas me conquistaram de maneira surpreendente, trouxe CORTE DE NÉVOA E FÚRIA porque foi nesse livro que me envolvi de cabeça ( e coração) com todos eles. Queria realmente que eles existissem!


  • No outono é sempre igual: um livro, autor ou gênero que você sempre gosta de ler nessa época do ano;
Como trouxe uma fantasia na lista, vou usar ela como exemplo. Essa época do ano é propicia para ler histórias mais densas e complexas! Amo! 

  • As folhas caem no quintal: um livro que trata sobre algum assunto delicado;
POR LUGARES INCRÍVEIS é meu novo favorito da vida, e trata sobre suicídio, que é um assunto ainda tabu e muito delicado em nossa sociedade. Que livrão minha gente, recomendo!


  • Só não cai o meu amor: um livro com uma história de amor;

Decidi sair dos clichês e trazer O FUTURO DE NÓS DOIS que não é um livro muito conhecido, mas que tem uma história de amor e amizade muito profunda. O livro vai ter uma pegada de ver o futuro, e além disso é muito engraçado em diversas partes sem perder a seriedade da mensagem! Recomendo!

  • Pois não tem jeito, não, é imortal: um livro que você acha que deveria virar um clássico para que todas as futuras gerações pudessem ler;

Tem diversos livros que eu gostaria que virassem clássicos, mas escolhi EXTRAORDINÁRIO porque acredito que é um livro que nos faz ser pessoas melhores depois da leitura, e exatamente do que o mundo precisa: pessoas gentis, amáveis e que sabem tratar o próximo com amor e respeito.


Adorei responder a tag, relembrar algumas histórias antigas e essa música tão linda! Conta aqui para mim quais serão seus livros do outono!

Diário: ME FORMEI: LETRAS!

segunda-feira, 16 de abril de 2018



Fazia muito tempo que não trazia um post para a categoria de Diário, e eu não pudia deixar de trazer e comentar um pouco sobre um dia muito especial para mim, e acredito que quem já viveu esse momento vai concordar que a emoção e a felicidade da conquista são indescritíveis.

Para quem não sabe, me formei em Letras pela Faculdade Sumaré, e acho que é importante falar: me formei no curso que escolhi! E que decisão assertiva! Porque eu não poderia ter escolhido um curso melhor. A minha relação com livros começou dois anos antes de começar a faculdade, então estar e fazer um curso como o de Letras foi uma aventura e me lembro muito bem que frequentar as aulas e desenvolver os trabalhos era estar fazendo o que eu amava: cercada pela escrita, pelos livros, por leituras e análises de obras que marcaram as sociedades por séculos. Olho para trás hoje, e me orgulho em dizer que foi a melhor decisão profissional que eu tomei, não apenas por estar no ramo da educação ( algo em que eu acredito e sempre quis seguir), mas por estar diretamente ligada com a literatura.

A caminhada foi árdua em diversos momentos, mas prazerosa, por isso eu digo: faça o que você ama, sem dar créditos à dinheiro, posso garantir que você será mais feliz e realizado.




Minha colação aconteceu no último sábado, 14-04-2018, e foi um dia lindo. Engraçado comentar também que foi tão surreal, que às vezes nem parecia que era comigo. Ao entrar naquele tapete vermelho, com muitos rostos desconhecidos olhando para mim, e quase ao final reconhecer alguns que torciam por mim, eu só transbordava gratidão. Ao subir ao palco e sentar ao lado de algumas amigas queridaS ( agora amigas para a vida), eu só pensava como eu era sortuda. Ao olhar a multidão de convidados e procurar aqueles que estavam ali por mim, eu só conseguia amar ainda mais aquelas pessoas. Ao dedicar meus pensamentos à alguém que não pode estar ali comigo ( o meu melhor amigo e amor para toda vida) eu aprendi que existem pessoas cujo laços se expandem e atravessam distâncias, e eu pude sentir, mesmo de longe a torcida e amor dessa pessoa ( Te amo, muito). E por fim, ao pegar o diploma e jogar o capelo para o alto, me tornei uma Letróloga, formada e habilitada, pronta para tentar mudar o mundo ( pelo menos um pouquinho).

Os sonhos se realizam, no tempo certo, e pode acreditar, sempre acontecem de maneira mais bonita e incrível do que você imaginou!

Hoje, escrevendo essas palavras, queria voltar o tempo, viver de novo aquele momento, mas sei que agora é daqui pra frente, novos desafios, novos sonhos, novas etapas e quer saber: EU NÃO VEJO A HORA!

CRÔNICA: UM DIA (quase) PERFEITO

sexta-feira, 13 de abril de 2018



Acordei e olhei pela janela. O dia estava ensolarado e cheio de vida. O céu de um azul claro quase branco encheu meus olhos. Que dia perfeito, pensei. Meu dia perfeito? Quando foi? Tive algum? E sem permissão essas perguntas pipocavam em minha mente, me levando a você.

Nossos dias perfeitos. Às vezes tão bagunçados, desajeitados. Começos bons, finais ruins. Começos de dar raiva, fins de nos fazer sorrir. Uma palavra certa, milhares erradas. Uma palavra errada, o dia inteiro de certas. Porque aprendi que um dia perfeito, nunca é perfeito 100%.

Sorri em meio as lembranças. Sorri porque não preciso disso. E não é uma questão de comodismo, mas uma questão de ser grata, estar cheia, transbordante pelo que tem. 

Um salão. Duas cadeiras. Milhares de pessoas. Eu e você. A primeira vez que você me olhou. Como olha todos os dias.

Um quarto. Um abraço de despedida. O melhor que recebi. 

Uma sala. Um filme. A primeira vez que outros dedos se entrelaçaram aos meus. Minha cabeça em seus ombros. Uma tarde cinzenta lá fora, um mundo de cor lá dentro.

Uma árvore. Coração mais disparado do que se estivesse correndo. Eternizados, até que outra camada cubra, ou o tempo faça, partícula a partícula, aos poucos, desaparecer. 

Uma escada. A primeira vez que você fez meus pensamentos desaparecerem. E a primeira vez que amei ( mais do que todas) te ver sorrindo.

Uma tarde. Uma música. Um record. As melhores risadas.

Fim de tarde. Uma surpresa. Várias lágrimas. O universo sorrindo para mim. 

E eu poderia ficar a manhã inteira lembrando dos meus dias com você. Todos eles. Registrados na memória. Guardados. Seguros. 

Não sei se algum dia teremos um dia efetivamente perfeito, e nem sei se quero. Amo nossos dias, todos eles construídos por nossas escolhas e palavras. Nossos  dias ( quase) perfeitos.

POR LUGARES INCRÍVEIS: a montanha está à espera.

quinta-feira, 12 de abril de 2018



" - Então não foi hoje - canto-, porque ela sorriu para mim."

Página 42

Não sei se vou conseguir fazer uma resenha decente ( isso se já fiz alguma antes), mas vou tentar. Acabei de terminar esse livro e precisa vir escrever, tirar de mim um pouco do que ele deixou, porque acho que é muito e não vou conseguir dormir direito, porque tudo o que penso é nessa história, não estou brincando.

Para resumir, se você não sabe do que se trata o livro, ele vai contar a história de dois personagens que se encontram em momentos da vida que estão perdidos, sem esperança alguma, e de alguma forma, despertam um no outro a vontade de viver. O livro tem uma temática de suicídio, e além disso fala de várias outras coisas como perda, medo, morte, culpa.  É um livro carregado de questões que te apertam seu coração e te deixam sem ar em diversas vezes, mas ao mesmo tempo é um alívio. Esse não é um daqueles livros pesados por completo, em diversos momentos ele é divertido, leve e cativante, fazendo com que você viaje livremente pelas páginas e sinta junto com os personagens.


" - Acabou o inverno. Finch, você me trouxe a primavera."

Página 226

Finch e Violet são os típicos personagens que você vai levar consigo para o resto da vida. Sofri. Sorri. Sofri. E sorri de novo, e de novo com eles. Eles são tão bem construídos, e suas vidas tão cheias de conflitos e tragédias que a todo tempo eu pensava e queria abraçá-los e dizer: vai ficar tudo bem.

É complicado ler livros com essa temática, mas necessário. É doloroso e precisamos falar sobre isso, porque existem pessoas, talvez mais próximas de você do que você imagina que precisam de ajuda. 
Transtornos mentais , depressão, ansiedade, ainda são estigmas em nossa sociedade que precisamos quebrar. Precisamos reconhecer os sinais, e precisamos ajudar sem julgamentos. 

Por mais que minha mente, em meio a leitura, tenha pensado que esses personagens eram reais, e me permitiu cair várias lágrimas, elessó existem dentro das páginas de Por Lugares Incríveis e dos seus leitores. Mas, diferente deles, temos pessoas reais, andando por ai, passando ao nosso lado, só precisamos olhar.

É difícil falar sobre isso, e por mais que eu tenha lido alguns livros sobre, nunca poderei falar com propriedade do assunto, mas posso com certeza, olhar ao meu redor. Não julgue, a mesma vida que você enxerga e leva não é a mesma para essa pessoa. Só sei que ela está tentando e não pode sozinha, talvez juntos, poderemos. A montanha está à espera de todos nós. Todos.



" Rápido demais, a volta acaba, e quero ir de novo, porque é essa sensação que a vida deveria causar o tempo todo, não só por dez segundos."

Página 171

Fim de Série: CORTE DE ESPINHOS E ROSAS

quarta-feira, 11 de abril de 2018



" Há dias bons e ruins para mim... mesmo agora. Não deixe que os dias ruins vençam."

Página 254/ Corte de Névoa e Fúria


É com muita felicidade e empolgação que trago esse post especial para essa série de fantasia que arrebatou meu coração e me fez amar os personagens até o coração doer. Então, antes mesmo de eu falar sobre a história, minhas experiências de leitura e os motivos de você deixar o que está fazendo agora e ir comprar toda a série, eu já me adianto: RECOMENDADÍSSIMO! 

A história começa com o livro que dá nome à série. Fiz essa leitura lá em 2016 e confesso que não me conquistou tanto assim, gostei muito do livro, mas nada que fizesse com que eu ficasse viciada na história ou algo do tipo. Foi a partir do segundo que o negócio pega, e como pega!


SOBRE O LIVRO: 

Depois de anos sendo escravizados pelas fadas, os humanos conseguiram se libertar e coexistem com os seres místicos. Cerca de cinco séculos após a guerra que definiu o futuro das espécies, Feyre, filha de um casal de mercadores, é forçada a se tornar uma caçadora para ajudar a família. Após matar um féerico transformada em lobo, uma criatura bestial surge exigindo uma reparação. 

Arrastada para uma terra mágica e traiçoeira que ela só conhecia através de lendas , a jovem descobre que seu captor não é um animal, mas Tamlin, senhor da Corte Feérica da Primavera. À medida que ela descobre mais sobre este mundo onde a magia impera, seus sentimentos por Tamlin passam da mais pura hostilidade até uma paixão avassaladora. Enquanto isso, uma sinistra e antiga sombra avança sobre o mundo das fadas e Feyre deve provar seu amor para detê-la... Ou Tamlin e seu povo estarão condenados.



Como vemos na sinopse então, vamos acompanhar nossa protagonista Feyre, em todas as situações que ela vai enfrentar em terras féericas. O livro tem uma pano de fundo da Bela e a Fera, mas é bem de fundo mesmo, então nem se prenda a isso!
Lembro que gostei muito do primeiro livro, ainda mais depois da metade do livro que acontecem coisas que você não acredita e que dão um ar completamente para a história!




" De vez em quando nos lembramos de que o que achamos ser nossa maior fraqueza pode ser, às vezes, nossa maior força. E que a pessoa mais improvável pode mudar o curso da história."

Página 308/ Corte de Asas e Ruína

Como falar do segundo e do terceiro livro ( meus favoritos), e dar detalhes seria spoiler, vou focar na minha experiência de leitura e tudo o que essa história causou em mim!

Li o segundo e o terceiro livro só agora em 2017, e não sabia o que esperar! Mas o que ganhei em troca foi tudo o que um leitor precisa e exatamente aquilo que uma história deveria fazer com a gente.
Coisas novas acontecem, mudanças, e reviravoltas que fazem você repensar toda a história do primeiro livro. É engraçado pensar nisso, porque eu gostei quando li o primeiro, mas depois da leitura do segundo livro, faz o primeiro parecer ruim. 

Me surpreendi a cada página e por mais que Corte de Névoa e Fúria tenha mais de 600 páginas, a leitura é fluída. Sinto que nenhuma página é desperdiçada e a autora não coloca nada que não tenha relevância, o que dá ao livro uma construção sagaz ao longo da narrativa.

A história te conquista e tudo ao redor do mundo também, mas garanto que o que vai pescar seu coração são os personagens. Somos inseridos à diversos novos personagens no segundo livro, e eu amo cada um deles. Amo a força, a personalidade e as ações. São personagens reais, verdadeiros e que criam na história uma relação de pura parceria entre outros personagens e com o leitor.

Sobre o terceiro volume, não tem como começar a ler sem estar com o coração apertado. O fim do segundo livro te deixa no chão, então começamos Corte de Asas e Ruína despedaçados e sem saber  como tudo vai se ajeitar. Confesso que esse foi um dos melhores fechamentos de série que já li. Eu chorei, sofri,  perdi o ar (literalmente), e fiquei parada olhando para a parede uns bons minutos depois de uma cena ( de quebrar o coração), porque é isso que a autora faz com você, pega seu coração e torce até não sobrar nada, rs.

Fica então minha recomendação para uma série com um mundo fantástico muito bem construído, com féericos, criaturas totalmente diferentes e personagens marcantes, além da construção da história que te surpreende a cada página virada. Leiam, por favor!

PS: deixo aqui toda a minha dedicação e amor para um personagem em especial. Quem leu sabe. Esse personagem é uma das melhores coisas da série ( às vezes acho que é a melhor,rs), não posso citar nomes porque seria um grande spoiler, mas não poderia escrever este post sem deixar de lembrar: todo mundo deveria ser como esse personagem. <3

DESEJADOS DO MOMENTO

terça-feira, 10 de abril de 2018



Quem é leitor sabe: sempre queremos livros novos, não importa se acabamos de comprar ou ganhar novas leituras. Mesmo assim, sempre têm aqueles livros que queremos mais, e hoje vou contar quais são os livros que quero ler e ter para ontem!



CARTAS SECRETAS JAMAIS ENVIADAS- EMILY TRUNKO

Esse é um livro recente lançado agora em 2018 e tem uma proposta muito legal que me chamou muita atenção. O autor reuniu várias cartas de pessoas aleatórias que jamais foram enviadas. Fiquei interessada porque o livro tem um alto teor de emoção e não vejo a hora te tê-lo em mãos. Separei uma carta que tem no livro para vocês entenderem a proposta:

" C,
Eu te entendo. Quero te amar por quem você é, mas você não deixa. Derrube as suas barreira. Não tenha medo.

- J "


JANE EYRE- CHARLOTTE BRONTË

Vocês vão perceber que as as irmãs Brontë reinaram nesse post, rs, porque estou super ansiosa para conhecer as histórias que elas escreveram. Jane Eyre me chama a atenção por diversos motivos, porém ainda mais forte que todos. quero ver a heroína forte que a autora criou.


UM DE NÓS ESTÁ MENTINDO- KAREN MACMANUS

Esse livro tem tudo o que eu gosto: mistério, suspense e cenário jovem. Estou super ansiosa para a leitura e muito empolgada, porque sei que é um livro que te faz pirar e ficar louco para saber a verdade.


O MORRO DOS VENTOS UIVANTES- EMILY BRONTË

Mais um clássico ai, e acho que é mais conhecido do que o outro. Todo mundo fala do peso que esse livro tem, e por ter lido algumas citações estou muito curiosa e ansiosa pela leitura. Quero muito conhecer e acho que pode se tornar um clássico favorito!



Conhecer as histórias é um dos motivos principais, claro, mas olha que edições mais lindas! Ansiosa é pouco e com certeza a próxima compra de livros vai incluir um desses ai!
Conta para mim seus livros desejados do momento, sei que tem uma lista gigante! Difícil essa vida de leitor viu!

O NOVO LIVRO DO JOHN GREEN: Tartarugas até lá embaixo

segunda-feira, 9 de abril de 2018



" E a questão é que, quando a gente perde alguém, a gente se dá conta de que no fim vai perder todo mundo."

Página 81

O novo livro do John Green superou todas as  expectativas que eu poderia ter criado em torno dessa nova narrativa, porque após 6 anos sem nenhuma publicação e a completa dedicação à esse livro, recebemos não só uma história comum, mas um retrato pessoal e que nos toca de maneira grandiosa.

Tartarugas até lá embaixo vai trazer Aza Holmes como protagonista, e já posso garantir que ela é uma protagonista incrível, muito bem construída e cheia de camadas que descobrimos a cada página virada, Aza tem transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e esse é o tema central do livro: como nossa protagonista lida com a doença, ao mesmo tempo em que relacionamentos são construídos e várias situações vão sendo colocadas em jogo.

O livro é cheio de pequenos temas e reflexões que nos fazem pensar por dias na história. Perda e dor, são temas presentes, e vemos como a protagonista e outros personagens lidam com a morte, a saudade e a impotência em situações que estão longe de nosso controle. 
A doença é o tema central, e foi muito importante ler essa história e conhecer algo que eu nunca tinha lido, e poder entender uma pequena parcela sobre o que essas pessoas sofrem e como é difícil lidar com as situações que suas mentes são colocadas.


" Estar vivo é sentir saudade."

Página 262


Tenho meus livros favoritos do autor, e esse entrou para a lista, mas sinto que é um livro diferente, e mais do que isso, ele é necessário. Além da narrativa fluída, dos personagens bem construídos e de reflexões incríveis, o livro é especial porque é pessoal para o autor. Ele tão sofre com a doença e com ansiedade, e por isso conseguimos ver com clareza como o livro é real e verdadeiro, imagino que tenha sido muito difícil, mas ao mesmo tempo especial ter dado vida à essa história.

Saúde mental não é brincadeira. Ansiedade não é bobeira e precisamos saber que essas doenças têm tratamentos, que há esperança e chances de uma vida melhor para pessoas que sofrem  de doenças mentais. 

Fica então minha recomendação de um livro forte e necessário, se você nunca leu algo do tema, e que quer entender a importância, esse é o livro certo. 

CRÔNICA: Despedidas

sexta-feira, 6 de abril de 2018



Não sei me despedir de você. Não sei se te abraço ou se olho nos seus olhos. Minhas mãos não sabem o que fazer e sempre sinto que não foi suficiente. 

Não sei me despedir de você. Parece que dentro de mim algo se parte, e naqueles poucos segundos sinto minha respiração falhar, meu coração parar. Não sei ao certo o que fazer com meu corpo. Sinto as lágrimas brotando, mas ao mesmo tempo tento desesperadamente segurar para que eu possa te olhar direito. Olhar nos olhos. Mas nunca consigo. As lágrimas são insistentes e escorrem pelo meu rosto sem nenhuma permissão.

Não sei me despedir de você. E não ligo para as pessoas que estão ao nosso redor. Para mim é só você e eu. Congelados em um momento. Congelados em mais uma despedida. Congelados. Juntos, a poucos momentos de escorrer por lados diferentes. 

Não sei me despedir de você. Mas preciso. Quando chega o momento não consigo te olhar mais, e me odeio por isso porque amo ser olhada por você. Nos abraçamos. E torço para que você não me solte, mas precisamos. Há coisas na vida que precisamos fazer, mesmo que seja a última coisa que gostaríamos. Quando você me solta eu não olho para trás, é difícil demais te ver tão longe. 

Não sei me despedir de você. Mas acabei de fazer isso. No segundo seguinte em que suas mãos escorregaram pelas minhas, eu desabei. As lágrimas foram como enxurrada. Sentei em um banco e chorei. Chorei por despedidas. Por abraços. Beijos. Momentos. Chorei. Porque às vezes o choro é uma libertação. Diferente do que acham por  ai, chorar não é fraqueza. Chorar é força. E eu me fortaleci a cada lágrima.

Não sei me despedir de você. Mas me levantei do banco e não olhei a diante. Só andei. Subi as escadas e lembro que algumas lágrimas ainda escaparam. Andei em meio a pessoas e não senti nada. Porque a cada passo você ficava mais longe, mais fora do meu alcance. Tão longe, mas tão perto, dentro de mim. A melhor parte de mim.

Não sei me despedir de você. E eu vou odiar todas as vezes que precisaremos fazer isso, porque sei que serão diversas vezes. Já sinto a dor dessas despedidas que nem vieram, porque você faz tudo valer a pena, e estar longe é como estar distante da melhor coisa de sua vida. Porque você é o meu lugar. 

Não sei me despedir de você. Já se passaram alguns dias, mas ainda sinto a sensação. Sinto tudo. Revivo o momento e espero te ver logo, tão perto. Não sei me despedir de você. E a verdade: nunca saberei me despedir de você. 

LEITURAS DE MARÇO- 2018

quinta-feira, 5 de abril de 2018



Oi gente, tudo bem? Hoje é dia de fazer aquele resumo das minhas leituras, Março foi um mês de leituras incríveis e vários favoritos que dão um gás no mês todo! Espero que gostem ;)


É ASSIM QUE ACABA- Colleen Hoover

Comecei o mês muito bem e mais uma vez a Colleen Hoover provou ser uma autora incrível! Esse livro é necessário e assim como faço com Um Caso Perdido, vou sempre recomendar. Fiz uma resenha sobre ele, então se vocês ainda não viram, vale a pena conferir. Mas aproveitando, se for ler esse livro, espere seu coração aos pedaços no final.


LUCÍOLA- José de Alencar

Meu clássico do mês me surpreendeu e me conquistou. Esse é um daqueles livros que você não espera gostar tanto, mas que no final prova para o que foi feito e você entende a importância da obra. Com essa somei 5 leituras do autor, e provavelmente ainda esse ano vou mais livros dele.


CORTE DE ASAS E RUÍNAS- Sarah J. Maas

A finalização da série Corte de Espinhos e Rosas não poderia ser melhor, ainda vou fazer um post especial, mas já posso adiantar que essa história entrou para uma das minhas fantasias favoritas por vários motivos. POR FAVOR, conheçam esses personagens, conheçam essa história e se apaixonem tanto quanto eu!


OPORTUNIDADE- Silas Malafaia

Meu livro cristão do mês foi outra surpresa, algumas experiências que tive com o autor não foram muito boas, mas esse livro foi muito bom de ter lido, além de ser prático, rápido e objetivo, o autor não fugiu do assunto e usou muito bem as referências bíblicas para complementar a mensagem. Gostei muito e  por isso já coloquei outro livro dele para o mês de Abril.


SÓ ESCUTE- Sarah Dessen

Mai um favorito do mês que foi um tapa na cara. Que livro bom minha gente, tocantes, bem escrito, mas ao mesmo tempo delicado. As minhas experiências com a autora sempre tinham sido medianas, mas agora, finalmente, me apaixonei por um livro dela, que se tornou um livro que vou recomendar para todo mundo. Também fiz resenha especial sobre ele ;)


O LIVRO DO AMANHÃ- Cecelia Ahern

Acho que essa foi a leitura que menos gostei do mês, e infelizmente, mais uma vez, me decepcionei com a autora. O começo do livro até a metade é muito cansativo, a protagonista fala de coisas que nos afastam da história ao invés de nos envolver. Depois da metade, comecei a me conectar um pouco, mas mesmo assim faltou algo. Sou super persistente, então quero dar outra chance à autora.


ANNA E O BEIJO FRANCÊS- Stephanie Perkins 

Fechei meu mês com livro mais romântico e clichê que li nos últimos tempos, acho que fazia tempo que eu não lia uma história despretensiosa, mas tão amorzinho! É um livro rápido de ler e que faz você suspirar a cada momento. Recomendo se você quer um romance sem drama e tragédia! 
O mais legal é que esse livro é o primeiro de uma série em que cada história temos protagonistas diferentes, já tenho os outros dois aqui e nos próximos meses quero muito incluir em minhas leituras!


E essa foram todas as minhas leituras de Março, conta para mim quais foram as suas e se descobriu algum livro favorito nesse mês que passou! :D

TBR- O que vou ler em Abril?

quarta-feira, 4 de abril de 2018


Ainda vou comentar como foram as minhas leituras do mês de Março, mas hoje já quero falar sobre os livros que planejo ler no mês de Abril. Como sempre, a lista está bem diversificada: com projetos, o clássico do mês entre outros!


TARTARUGAS ATÉ LA EMBAIXO- JOHN GREEN

A história acompanha a jornada de Aza Holmes, uma menina de 16 anos que sai em busca de um bilionário misteriosamente desaparecido – quem encontrá-lo receberá uma polpuda recompensa em dinheiro – enquanto lida com o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).
Repleto de referências da vida do autor – entre elas, a tão marcada paixão pela cultura pop e o TOC, transtorno mental que o afeta desde a infância –, Tartarugas até lá embaixo tem tudo o que fez de John Green um dos mais queridos autores contemporâneos. Um livro incrível, recheado de frases sublinháveis, que fala de amizades duradouras e reencontros inesperados, fan-fics de Star Wars e – por que não? – peculiares répteis neozelandeses.


Que saudade de ler um livro do John Green, e como já estou lendo, aproveito para falar que estou amando!

O SOBRINHO DO MAGO- C.S LEWIS

A aventura começa quando Digory e Polly vão parar no gabinete secreto do excêntrico tio André. Ludibriada por ele, Polly toca o anel mágico e desaparece. Digory, aterrorizado, decide partir imediatamente em busca da amiga no Outro Mundo. Lá ele encontra Polly e, juntos, ouvem Aslam cantar sua canção ao criar o mundo encantado de Nárnia, repleto de sol, árvores, flores, relva e animais.


Começando meu projeto de releitura das Crônicas de Nárnia, esse mês temos essa crônica que eu lembro de ter amado e ser uma das preferidas. Assim que fizer a releitura, faço um post!


POR LUGARES INCRÍVEIS- JENNIFER NIVEN

Violet Markey tinha uma vida perfeita, mas todos os seus planos deixam de fazer sentido quando ela e a irmã sofrem um acidente de carro e apenas Violet sobrevive. Sentindo-se culpada pelo que aconteceu, Violet se afasta de todos e tenta descobrir como seguir em frente. Theodore Finch é o esquisito da escola, perseguido pelos valentões e obrigado a lidar com longos períodos de depressão, o pai violento e a apatia do resto da família.


Tenho uma expectativa enorme para esse livro e prevejo lágrimas!



FAZENDO A COISA CERTA DE MANEIRA CERTA- SILAS MALAFAIA

                       Existiu um homem,na época do rei Davi, que experimentou as consequências de
                                   fazer a coisa certa  de maneira errada. Seu nome era Uzá.

Meu livro cristão do mês :)

A HORA MAIS SOMBRIA- MEG CABOT


Em A HORA MAIS SOMBRIA, quarto livro da série A mediadora, Suzannah sofre com sua
 paixão por Jesse – o fantasma “muito gato e com abdome de tanquinho”, que “vive” 
assombrando seu quarto. Entre a juventude platinada local, no melhor estilo de OC, 
menina tenta se adaptar ao novo colégio e à nova família formada com o 
segundo casamento da mãe. Entre as recentes amizades e agitos naturais da idade, 
a menina resolve as pendências do mundo espiritual.



Quarto livro da série A Mediadora, que me conquistou no terceiro e por isso estou super animada para essa leitura!


IMPECÁVEIS- SARAH SHEPARD


Spencer roubou o namorado de sua irmã. Aria ficou com o coração partido em relação ao 
seu professor de Inglês. Emily começou a gostar de sua nova amiga Maya... tanto 
quanto de seu amigo. A obsessão de Hanna pela aparência impecável está lhe 
fazendo mal. E seu segredos mais terríveis ainda é tão escandaloso que a verdade iria 
arruiná-las para sempre.


Continuando minha leitura da série de PLL, esse mês vou ler o segundo volume da série e 
sei que assim como o primeiro, vai ser uma leitura rápida e muito envolvente!


FAHRENHEIT 451- RAY BRADBURY


Imagine uma época em que os livros configurem uma ameaça ao sistema, uma sociedade 
onde eles são proibidos. Para exterminá-los, basta chamar os bombeiros - profissionais 
que outrora se dedicavam à extinção de incêndios, mas que agora são os responsáveis 
pela manutenção da ordem, queimando publicações e impedindo que o conhecimento 
se dissemine como praga. Para coroar a alienação em que vive essa nova sociedade, 
as casas são dotadas de televisores que ocupam paredes inteiras de cômodos,
 e exibem "famílias" com as quais se pode dialogar, como se estas fossem de fatos reais.

Este é o cenário em que vive Guy Montag, bombeiro que atravessa séria crise ideológica. 
Sua esposa passa o dia entretida com seus "parentes televisivos", enquanto ele trabalha 
arduamente. Sua vida vazia é transformada quando ele conhece a vizinha Clarisse, uma a
dolescente que reflete sobre o mundo à sua volta e que o instiga a fazer o mesmo. 
O sumiço misterioso de Clarisse leva Montag a se rebelar contra a política estabelecida, 
e ele passa a esconder livros em sua própria casa. Denunciado por sua ousadia, 
é obrigado a mudar de tática e a buscar aliados na luta pela preservação do 
pensamento e da memória. 



Como meu clássico do mês, escolhi esse livro porque há muito tempo tenho vontade de ler 
e chegou a hora, além do mais, ele é uma distopia que envolve livros na narrativa, 
o que é algo bem legal!