Resenha: A Lista Negra

terça-feira, 15 de dezembro de 2015


Sinopse (Skoob): E se você desejasse a morte de uma pessoa e isso acontecesse? E se o assassino fosse alguém que você ama? O namorado de Valerie Leftman, Nick Levil, abriu fogo contra vários alunos na cantina da escola em que estudavam. Atingida ao tentar detê-lo, Valerie também acaba salvando a vida de uma colega que a maltratava, mas é responsabilizada pela tragédia por causa da lista que ajudou a criar. A lista com o nome dos estudantes que praticavam bullying contra os dois. A lista que ele usou para escolher seus alvos. Agora, ainda se recuperando do ferimento e do trauma, Val é forçada a enfrentar uma dura realidade ao voltar para a escola para terminar o Ensino Médio. Assombrada pela lembrança do namorado, que ainda ama, passando por problemas de relacionamento com a família, com os ex-amigos e a garota a quem salvou, Val deve enfrentar seus fantasmas e encontrar seu papel nessa história em que todos são, ao mesmo tempo, responsáveis e vítimas.
" Como sempre há tempo para a dor, também sempre há tempo para a cura. É claro que há."
Página 179

Oi pessoal, tudo bem com vocês? É com essa frase que me tocou tanto que começo essa resenha, dolorosa.

A Lista Negra, é o livro mais recomendado pela Pam Gonçalves, e agora entendo o porquê. Ele é tão intenso, que mal sei se conseguirei escrever sobre.

A primeira coisa que me vem a mente depois de já ter lido, é que com certeza ele é um livro pesado. Muito pesado. Com uma sinopse que não esconde o drama do livro, já começamos a leitura sabendo que não será um livro fácil. Definitivamente, esse não é um livro fofo.

Como vemos na sinopse, uma tragédia causada pelo Nick, namorado da Valerie, nossa protagonista e que narra o livro, muda para sempre a vida dos envolvidos. A escrita intensa, nos deixa uma marca muito grande sobre o que realmente é o bullying, e o que pode gerar se não levado a sério. Quando comecei a leitura e mergulhei na história, uma das reflexões que tive, é que esse é um problemas que não é explorado com a devida importância. Muitas pessoas classificam como bobagem e não vêem o que pode gerar na vida de uma pessoa e pior, o que pode mudar na pessoa.

Depois que a tragédia acontece, Valerie tem que lidar com o sentimento de culpa que ela própria sente, e também o peso de culpa que as pessoas jogam em cima dela. Acho que esses momentos realmente me chocaram. Tudo o que eu mais queria, era arrancar a Valerie daquela tristeza, daquelas pessoas que antes já olhavam para ela com desprezo, mas que agora a olhavam como responsável pela morte de muitas pessoas.

" Ás vezes, mesmo as coisas que você espera que vão acontecer podem magoar."

Página 200

O livro todo é triste. E realmente tem uma mensagem forte, que muda algo dentro de você. Sem falar no jogo moral que você tem que lidar, pois, embora eu tenha certeza que por mais que seja difícil enfrentar o bullying, matar não seja a opção, não consigo sentir raiva do Nick. É um dilema que trouxe o tempo todo comigo. E também tem o lado das vítimas, de famílias destruídas, jovens que perderam o futuro na tragédia, contudo eu não pude saber de quem era a culpa realmente. Talvez não haja um único culpado. Acho que em tudo na vida funciona assim.

Não sei se falei tudo o que queria. Ou mesmo se essa resenha disse tudo o que esse livro merece. Mas recomendo muito. Por favor, leiam!

Até mais <3

Nenhum comentário

Postar um comentário